O Tambor

Na base do meu trabalho xamânico está o tambor. Instrumento primordial (provavelmente o primeiro inventado) usado desde há muito como forma de terapia e/ou na busca de conhecimento e respostas para tratamento de questões físicas, mentais, emocionais e espirituais.




Segundo uma notícia saída no examiner (aqui), os círculos de tambores são excelentes para recuperar e manter a saúde física e mental. A experiência promove a unidade do grupo e da comunidade, induzindo um leve trance e euforia, providenciando uma estratégia para libertação emocional, quando as palavras não o conseguem.

Ainda segundo a mesma notícia, estudos recentes indicaram que a participação em círculos de tambores tem vários benefícios:
  • Reverte o stress hormonal e reforça o sistema imunológico;
  • Reduz da ansiedade e angústia e aumenta da auto-estima;
  • Facilita uma melhor conexão dos doentes de Alzheimer com os seus familiares e amigos;
  • Os doentes de Parkinson desenvolvem melhores capacidades motoras;
  • Aumenta a capacidade de recobro do cérebro após derrame cerebral ou outras debilidades cerebrais;
  • Reduz a dor daqueles que sofrem de dor crónica etc.



O som ritmado e monótono do tambor é um mecanismo, que pode levar-nos a estados profundos de meditação, alinhando as frequências de ambos os hemisférios do cérebro e diminuindo significativamente a actividade mental. Neste estado podemos aceder a informação preciosa sobre nós próprios. 

Além do efeito meditativo, a vibração do som do tambor actua em todo o nosso corpo, massajando com a sua vibração, cada ínfimo pedaço de nós próprios. O seu som, grave, facilmente se propaga pela água e uma vez que o nosso corpo é composto por mais de 70% de água a sintonização ocorre ao nível celular. 
O ritmo do tambor simula o bater do coração. O primeiro som por nós ouvido, ainda no útero de nossa Mãe...
Por todos estes motivos e muitos mais... participa nas nossas actividades.

Para saber mais espreita aqui e entra em contacto pelo email trilhosdotambor@gmail.com

Também estamos no Facebook, aqui.
Enviar um comentário